quarta-feira, 30 de março de 2011

Com titulares, sem desculpas

Hoje à noite tem Inter x Jorge Wilstermann (BOL) pela Libertadores da América. O colorado, com a vitória, encaminha a classificação e fica com boas chances de ter uma das melhores campanhas da primeira fase da competição. Vencer o time boliviano é obrigação, jogar bem uma necessidade. A torcida está desconfiada. Porque o time não rende, mesmo tendo um grande plantel de jogadores renomados mesclado com jovens talentosos?

Celso Roth terá a sua disposição o time quase completo. Apenas Mário Bolatti desfalca a equipe por estar servindo a Seleção Argentina, por isso, sem desculpas. Não tem como tolerar um desempenho abaixo da capacidade do elenco. Já se falou em altitude, acumulo de jogos, grama sintética. Hoje não tem nada disso. Tem que ganhar, e de goleada.

Bolívar e D'Alessandro são jogadores titularíssimos que estão de volta. Um dará equilíbrio a zaga. O outro chama a responsabilidade, e o Inter ganha em personalidade e qualidade ofensiva. Soma-se isto a grande fase de Oscar e o time pode crescer. Vamos acompanhar. A Máquina do Cafezinho começa as 21:20 direto do Beira-Rio.

D'Ale e Bolívar voltam ao time

O time:

Lauro, Nei, Bolívar, Índio e Kléber; Wilson Mathias, Guiñazú, Oscar, D'Alessandro e Zé Roberto; Leandro Damião.

terça-feira, 29 de março de 2011

A chance não tem hora para aparecer

A oportunidade bate a porta sem avisar. Pode acontecer em qualquer momento da vida, em qualquer profissão e a pessoa agraciada deve aproveitá-la. Falo em especial de dois jogadores do Grêmio que receberão chances de ouro. William Magrão busca recuperar o espaço perdido em decorrência das lesões. O volante que surgiu muito bem em 2008, lesionou-se várias vezes e voltou somente nesta temporada. Ocupará a vaga deixada por Paulão que foi para o futebol chinês.

William Magrão é um volante moderno, que tem tudo para ser titular do time de Renato Portaluppi. Sabe marcar, chega bem ao ataque e é bom na bola aérea. Na atual formação seria o parceiro ideal para Fábio Rochemback. Leva vantagem em relação a Adílson porque chega melhor à frente e finaliza a gol, coisa que Adílson não faz.

William Magrão tem tudo para ser titular do Grêmio

Leandro é a reedição de Ânderson e Carlos Eduardo, que surgiram muito cedo, aos 17 anos, por pura necessidade e que por serem bons jogadores e de personalidade deslancharam no time tricolor e rumaram para a Europa. O jogador que está encantando o torcedor tricolor no Gauchão deve ganhar a vaga de Diego Clementino na próxima fase da Libertadores. Já ganhou a vaga de xodó, já que Clementino decepciona nesta temporada.

Estas duas alterações estão praticamente definidas por Renato Portaluppi, que ainda tem direito a mais uma modificação na lista dos 25 inscritos. Porém, a última vaga deve ser guardada para o caso da contratação de um novo reforço, possivelmente um novo atacante.

segunda-feira, 28 de março de 2011

100º gol de Rogério Ceni pelo São Paulo

Vídeo do 100º gol de Rogério Ceni pelo São Paulo

video


 


Talento não tem idade

Em tempos de recontratação de jogadores veteranos, que voltam da Europa para encerrar a carreira no Brasil, é de se saudar a aparição de jovens jogadores que renovam o futebol e dão novas perspectivas para seus clubes e para a Seleção Brasileira. Neste final de semana vimos exemplos de atletas que muito provavelmente estarão representando o Brasil na Copa de 2014.

Neymar já é uma realidade. O jogador franzino, de apenas 19 anos, joga na Seleção principal como se fosse rodado, como se já tivesse atuado em grandes clubes do cenário mundial, e pelo contrário, nunca saiu do Santos. Lucas, do São Paulo, é um garoto destemido. Pela primeira vez vestiu a amarelinha e não se acovardou. Partiu pra cima e encheu os olhos de quem gosta de bom futebol. O mesmo aconteceu com Leandro Damião, que já brilha no Inter e que não sentiu o peso da amarelinha.

Saúdo treinadores que não temem em lançar jogadores promissores por supostamente não terem "experiência". Vale muito mais a bola que o cara joga, do que a idade que ele tem. Os exemplos de treinadores corajosos e inteligentes não são muitos. Cito três em especial: Dorival Júnior, hoje no Atlético-MG, Ney Franco, das categorias de base da Seleção e Mano Menezes. Sim, Mano Menezes tem estas características de lançar jovens desde os tempos em que trabalhava pelo interior do Rio Grande do Sul.

Aqui por Porto Alegre a dupla GRENAL tem muita dificuldade de lançar jovens. Os jogadores aparecem como titulares mais por necessidade do que por convicção. Ainda bem que pelo menos a necessidade aparece, caso contrário, não estaríamos vendo Oscar, de 19 anos, comandando o meio-campo do Inter e Leandro, de 17 anos, pedindo passagem para ser atacante titular do Grêmio em uma posição carente desde a saída de Jonas.

Oscar e Leandro: Garotos de ouro da dupla GRENAL

Para quem não lembra, ou nunca se preocupou em pesquisar, Pelé, o maior do mundo, estreou em uma Copa do Mundo com apenas 16 anos de idade. Necessidade? Não! Talento percebido pelos treinadores que o comandavam na época.

Para jogar futebol é preciso saber jogar bola, independente da idade.